No Emotion

Nos olhos do menino
A multidão está feliz
O beijo da garota
E o mundo inteiro pede bis
Esperei o dia inteiro o seu abraço
Meu descompasso é a solidão latente

Nas praias de janeiro
Mergulhada a tentação
Os ventos do outono
Trazem sempre uma paixão
Mas já chegaram as chuvas de agosto
E meu desgosto é ter você tão fria

Anseio te dizer não um dia…

No toque do silêncio
Ouço o som da depressão
Que me convida amiga
Para um passeio até o chão
Confiro de perto o seu sorriso
E canalizo o seu poder medonho

Final de campeonato
A multidão está feliz
Um brinde ao calouro
E o mundo inteiro pede bis
Nossos grandes momentos já passaram
Se ofuscaram, amor não havia

Anseio te dizer não um dia…

Oh… White fire
No emotion

Published in: on abril 27, 2010 at 6:46 pm  Deixe um comentário  

David Bowie – Cactus

Sentado neste chão de cimento
Desejando ter uma peça de roupa sua
Eu a vestiria quando me sentisse só
Pode tirar seu vestido e mandá-lo pra mim?

Sinto falta dos seus beijos e do seu cabelo
Uma carta com sua letra não quer dizer que não esteja morta
Saia para correr no calor do deserto
Molhe o seu vestido e mande-o pra mim

Sinto falta da sua sopa e do seu pão
Uma carta com sua letra não quer dizer que não esteja morta
Deixe o café derramar e o vinho pingar
Use o vestido na hora do jantar

Sentado neste chão de cimento
Desejando ter uma peça de roupa sua
Fure suas mãos num cacto
Limpe o sangue no vestido e mande-o pra mim

(Frank Black)

Published in: on abril 17, 2010 at 10:12 am  Deixe um comentário  

No Meio do Caminho

No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
Eu a chutei para bem longe
Ai meu dedão!

(Parceria com Carlos Drummond de Andrade)

Published in: on abril 14, 2010 at 7:39 pm  Deixe um comentário  

Companheira

Nos últimos dias resolvi fazer as pazes com uma antiga companheira de longas datas. O clima estava realmente muito pesado e difícil entre a gente.

Enquanto eu passava todo o meu dia tentando fugir de sua presença, ela me perseguia por todos os lugares e sempre conseguia me encontrar.

Cansado deste caso sem solução eu dei o braço a torcer. A convidei para conversar e entramos em comum acordo. Eu não iria mais fugir e, por outro lado, ela não me perseguiria nunca mais. E foi assim que ficou restabelecida a antiga cumplicidade.

Hoje temos nossos momentos juntos, mas no momento em que eu preciso, ela sai e me deixa a vontade. Muitas vezes quando estamos longe sou eu quem sinto saudades, e na hora de dormir geralmente sou eu quem a procuro e peço a sua presença. Prontamente ela me atende e ficamos juntos contemplando o silêncio… e assim dormimos em paz, eu, e a minha velha companheira, Solidão.



Published in: on abril 14, 2010 at 6:40 pm  Deixe um comentário  

FOGO

Seus olhos eram fogo
Há muito tempo atrás
Me hipnotizou
Todos viam o seu brilho
E queriam o seu calor
Que aquecia muitos sonhos
Mas queimava em combustão

Fogo
Tudo bem
Tudo queimará assim

E quando eu vi o sangue
Não me surpreendi
Parecia tão normal
Parecia com mercúrio
Mas o sangue da menina
Ainda quente ele fazia
Me membrar o fogo

Sangue
Tudo bem
Tudo termina assim

Published in: on abril 13, 2010 at 6:11 am  Comments (2)