Vida Bandida

Vida bandida

Não me feche as feridas

Não me apresse a partida

Estou tão longe do dia

E tão perto da via

Que sem rumo seria

Se eu não tivesse arriscado

Se eu  não tivesse errado

Tantas vezes errado…

Anúncios
Published in: on fevereiro 19, 2010 at 12:13 pm  Deixe um comentário  

A Seta e o Alvo

Eu falo de amor à vida, você de medo da morte
Eu falo da força do acaso e você, de azar ou sorte
Eu ando num labirinto e você, numa estrada em linha reta
Te chamo pra festa mas você só quer atingir sua meta

Sua meta é a seta no alvo
Mas o alvo, na certa não te espera

Eu olho pro infinito e você, de óculos escuros
Eu digo: “Te amo” e você só acredita quando eu juro
Eu lanço minha alma no espaço, você pisa os pés na terra.
Eu experimento o futuro e você só lamenta não ser o que era
E o que era ? Era a seta no alvo
Mas o alvo, na certa não te espera

Eu grito por liberdade, você deixa a porta se fechar
Eu quero saber a verdade, e você se preocupa em não se machucar
Eu corro todos os riscos, você diz que não tem mais vontade
Eu me ofereço inteiro, e você se satisfaz com metade

É a meta de uma seta no alvo
Mas o alvo, na certa não te espera

Então me diz qual é a graça
De já saber o fim da estrada
Quando se parte rumo ao nada

(Música de Paulinho Moska)

Published in: on fevereiro 8, 2010 at 9:57 am  Deixe um comentário  

Enquanto Eu Calço os Meus Sapatos

Clipe de Enquanto Eu Calço os Meus Sapatos, estrelado por Tiago de Oliveira. Música escrita por Magno Magal (eu) e tocada pela Vernissage.

O mundo inteiro em mutação

E eu quase nunca presto atenção

Uma vez no dia ao fim do mês

Enfrento a televisão

Enquanto eu calço os meus sapatos…

____________________________________________________________

Ontem Whisky, hoje café

Depois me afogo embaixo do lençol

E vou lembrando dos segredos

Que sempre revelei ao pôr do sol

Quando eu seguia os seus passos…

Tão curtos

E eu ainda me perdia

__________________________________________________________

Quando eu me sinto só

Eu me sinto bem

__________________________________________________________

Saio de casa de manhã

Só o meu cão vai me esperar voltar

É um belo dia, é um fim de mês

E os meus fantasmas insistem em me olhar

Enquanto eu gasto os meus sapatos…

Tão velhos

Mas sempre duram mais um dia

Published in: on fevereiro 2, 2010 at 12:31 pm  Deixe um comentário